Insights Tendências

Inovações surgem em tempos de crise

por Martin Luz em 12/05/2020

Apesar de temida, a crise sempre é esperada. A experiência, o conhecimento e a vontade de mudar e se reinventar sempre, fazem entendê-la melhor e torná-la uma oportunidade.

 

Antes de começar a buscar alternativas, é preciso compreender também que obter retornos a curto prazo é um grande risco. Deixar de lado uma estratégia a longo prazo, que possa render bons frutos e proteger a empresa dentro de um cenário crítico, para ter resultados que durarão por pouco tempo, é um grande erro. Depois de entender qual cenário precisamos, chega o momento de saber como conquistá-lo.

Revise tudo sempre

O plano de negócio é algo que deve ser revisado periodicamente em qualquer cenário. Em tempos de crise, deve ser visto sempre com mais frequência e cuidado. E para que se possa ter controle e organização durante essa revisão, é importante determinar avisos para si mesmo.

Se o plano estabelecido para 12 meses não apresentar resultados positivos em 6 meses, o que deve ser feito? E se as vendas não alcançarem o que precisam em 4 meses? É importante considerar todos os cenários durante o planejamento e execução. Não é preciso esperar que as notícias sejam piores para começar a agir.

Dentro desse cenário, revisitar o modelo de negócio atual pode ser o primeiro passo para uma mudança que não resulte somente na sobrevivência da empresa, mas em um negócio mais sólido, adaptado às novas mudanças do mercado e do comportamento do consumidor. Um dos elementos importantes para essa mudança, é o uso da Transformação Digital como ferramenta essencial, não só para comunicação, mas em pequenos processos da empresa, por exemplo.

Segundo André Diz, professor de Economia do Ibmec, para O Globo, o e-commerce responde por 4,5% do varejo brasileiro, o que representa uma oportunidade de crescimento. A tendência é que a vontade do contato offline se iniciará com o contato digital, indicando que a empresa que não estiver presente no digital, não fará parte do mercado.

Outra dica é revisitar o que foi feito por empresas no passado, não só do seu mercado ou a sua, especificamente, além de rever o que já foi aproveitado, o que pode ou não ser realizado novamente e o que pode ser adaptado. Nem sempre as alternativas corretas são as revolucionárias, mas sim as que salvam.

Além dessa organização facilitar a sua visão sobre o cenário, é possível alinhar todos os pontos da empresa e desenvolver melhorias em cada área. Dentro desse cenário, também é preciso avaliar sempre as escolhas.

Por exemplo, é válido escolher um fornecedor que ofereça matéria-prima por um valor menor e tornar a qualidade do produto inferior? Ou ainda não realizar o pagamento a fornecedores para reduzir custos? Como citado anteriormente, nem sempre as soluções que oferecem resultados a curto prazo são as melhores.

Escute as pessoas

Se você não confia nas pessoas que estão ao seu lado, à frente das áreas da sua empresa, provavelmente essas pessoas não deveriam estar lá – ou você precisa aprender a escutá-las. Discuta suas propostas, avalie todas as perspectivas de seus líderes, considere todos os riscos – vindos das áreas e do mercado –, dos menores aos mais altos, e das consequências a curto e longo prazo.

Boas ideias nascem em todos os momentos, principalmente em momentos de crise. Por isso, esteja aberto(a) para escutar as pessoas da sua empresa: colaboradores, clientes, parceiros, fornecedores, sócios… Além de ideias, processos alternativos podem surgir, permitindo que um novo modelo de negócio nasça. A mudança é necessária.

Esses modelos corrigidos podem se tornar mais seguros e duráveis. Temos muitos exemplos de empresas que só duraram – e estão com as portas abertas até hoje – devido às mudanças que aceitaram ao longo dos anos, se adaptando a elas, e não resistindo com um formato desatualizado.

Mas e se eles não estiverem dizendo nada? É claro que, diante de uma crise, as pessoas se sentem mais desestimuladas e desanimadas. Por isso, é importante saber dialogar, principalmente com os que estão dispostos a sugerir e provocar mudanças. São eles que irão causar pequenas mudanças no dia a dia – em pequenos processos das empresas – e estimular aqueles que podem se sentir desanimados de alguma forma, principalmente por estar mais próximos deles. Tomar decisões sem consultar e entender diferentes pontos de vista, principalmente de quem já viveu momentos como este, pode ser perigoso.

Crises permitem que você possa conhecer os talentos da sua empresa. Um momento como este também pode ser a chance de você conhecer os seus líderes do futuro. Em uma crise, o que salva não são as demissões, mas contar com os colaboradores para que eles te ajudem a sair da crise.

Conheça seus novos clientes

Neste post que escrevi para o blog da Martin Luz, falei um pouco sobre a nova concepção de “normal” após a crise. Diante dela, muitas coisas que antes poderiam ser consideradas irreais ou inviáveis para este momento, podem se tornar os melhores caminhos. 

O que poderá ou o que já está sendo mudado dentro da sua empresa? Como as mudanças externas contribuem para isso? Os costumes dos consumidores estão mudando diante da pandemia. Isso é um fato. De acordo com a McKinsey, 74% dos consumidores na China dizem que evitaram shoppings nas duas semanas após a reabertura das lojas. Ao que tudo indica, esse novo comportamento poderá durar por um bom tempo. O digital será uma ferramenta imprescindível para a adaptação das pessoas e o novo cenário que irá surgir depois da crise.

Por isso, lembre-se de que mesmo com diversos fatores que devem ser levados em conta, é o seu cliente que irá manter a sua empresa aberta. Puxe conversa com ele! Seja em um post nas redes sociais ou na realização de uma pesquisa, por exemplo. Na Martin Luz, utilizamos ferramentas digitais que exploram todas as possibilidades de crescimento de negócios.

Saiba, direto da fonte, o que o seu consumidor quer, o que não admite e como está se adaptando neste cenário. Conhecer e se aproximar de seus clientes, colaboradores da sua empresa e seus parceiros, não só irá ajudar na criação de estratégias para este momento, mas na recuperação e o pós dela. Uma das coisas mais valiosas que podemos aprender e ganhar com esta crise, são laços mais fortes.

Ao acessar nosso site, você reconhece que leu e entendeu nossa Política de Cookies e nossos Termos de Uso.